domingo, 9 de dezembro de 2012

Casa do Mar: Do motor a Vela

Quem sonha em fazer do "Mar, o doce Lar", precisa de um barco para morar!!

...

Mas qual o barco?!

Dessa escolha depende o conforto, a segurança, as limitações, a autonomia e pode ser o ponto decisivo entre a vida a bordo "dar certo" ou não... enfim, é uma dúvida que parece simples, mas na hora que começamos a procurar "a casa" entendemos o quanto complexa é a decisão.


Em linhas gerais costumamos dizer que o barco deve ser simples o bastante para não se tornar um grande e complexo problema!! Além é claro, de "caber no seu bolso". Não adianta almejar o barco-casa "dos sonhos" e por conta disso ser obrigado a trabalhar a vida inteira para que na próxima encarnação/existência possa realizar o sonho (rs).. quem quer (de fato) realizar um sonho aceita mudanças/adaptações no que lhe parece ser o "ótimo" para realizar o "possível".

É preciso encontrar o limite entre o "necessário" e o supérfluo. Não se pode por exemplo abrir mão da segurança. Também não se pode esperar que sua família aceite todas as privações de conforto do mundo, lembrando que o maior risco de sair de uma cidade para ir morar a bordo é um motim entre a tripulação.
Cuidado com aqueles "marinheiros" (e construtores de barco) que dizem: "mas é um barco, tem que ser assim". Negativo, pra você é uma casa além de ser um barco!!! Tem que ser "assado" (rs).

É importante administrar todas as variáveis, que vão desde seus planos de viagens (onde deseja chegar), segurança, simplicidade.. até os desejos/exigências da família, conciliando tudo com sua capacidade financeira de investimento (e manutenção) da "casa".

...

A pequena experiência que tínhamos era exclusivamente com barcos a motor. Em 2009 ao decidir entrar de cabeça nesse projeto de vida a primeira questão foi: seguimos com barco movido prioritariamente a Motor ou vamos para o desconhecido (e enigmático) mundo das Velas?!


Nossos dois primeiros barcos foram "Lanchas", um tipo de barco rápido, que conta com muita potência em seus motores. A idéia de viajar em "altas velocidades" pelo mar é perfeita, mas toda essa "velocidade" se traduz em altíssimo consumo de combustível e baixíssima autonomia, fato que complica (e limita) absurdamente os passeios mais ousados (mais longos).
Além disso esses barcos se tornam extremamente caros a partir de determinado tamanho devido sua estrutura e a mecânica envolvida em seus motores! Inviável para as nossas pretensões de visitar locais distante no Brasil e no mundo; talvez possível no futuro com uso de outros tipos de combustíveis e tecnologias.

Uma (boa) opção é um tipo de barco a motor chamado "Trawler", como uma traineira (ou um barco de pesca) preparado para o lazer, com muito espaço e conforto, aliado ainda a alta capacidade de carga de combustível, água, alimentos (enorme autonomia, cruza-se oceanos navegando no motor).

Esse é um tipo de barco "deslocante", onde é possível conseguir uma boa relação de consumo x distância percorrida, mas com velocidade reduzida (em comparação a lanchas). Enfim, troca-se combustível por tempo!!


No entanto, mesmo em um (econômico) Trawler é necessário consumir por vezes "milhares de litros" de óleo Diesel para completar um percurso mais longo. Bastou fazer a conta de "milhares de litros" x preço do combustível que descobrimos que essa não é uma opção viável para a nossa realidade financeira (de classe média) com objetivos de realizar longas travessias.


Para quem pretende curtir o barco aos finais de semana, feriados, férias ou até mesmo viver a bordo mas sem pretensões de sair com o barco de uma determinada região ou no máximo realizar algum passeio esporádico pela costa brasileira tem nesse tipo de embarcação (Trawler) uma opção bem interessante. Mas pra quem pretende ir bem longe e tem certas limitações financeiras, abastecer de Diesel o gigantesco tanque de um Trawler se torna um problema (rs).

...

Por fim, além do aspecto econômico tem também a questão Ecológica pela necessidade de queimar combustível fóssil para navegar!!

Vivemos em um mundo já castigado pelo paradoxo do "consumo incentivado" de recursos naturais versus o número de pessoas a bordo do planeta. Pensar na reciclagem (e na diminuição) do lixo que geramos e na redução do "consumo" dos recursos naturais do nosso planeta não é só um assunto "romântico", é questão de inteligência e respeito para com o próximo.

...

Se de um lado temos os barcos a motor que nos oferecem toda a praticidade de "acionar" o(s) motore(s) e sair pra passear com nossa casa (queimando combustível), por outro lado temos os Veleiros, embarcações que usam o vento como "combustível". Ecologicamente perfeito, mas não tão simples como se parece..


É claro que nem tudo são flores. A operação de um veleiro, quando navegando a vela, é consideravelmente mais complexa do que um barco a motor. Tem também maior limitação de energia a bordo, um veleiro quando se desloca a vela não gera "energia elétrica" como ocorre com um motor (que tem o Alternador gerando "bastante" energia). Mas no caso da energia dá pra usar placas solares, geradores eólicos (opções bem ecológicas) e até um gerador.

Mas o veleiro conta ainda com Motor (oba), como propulsão auxiliar para as manobras e para os momentos em que os ventos não são favoráveis (comum nos passeios pela costa de SP/RJ).

O fato de ter a VELA + MOTOR se traduz também em segurança por que na ausência de um você pode contar com o outro.

...

Os fatores que explicamos aqui foram levados em consideração, mas com certeza tivemos também muita influencia dos livros, videos e opinião dos "amigos do mar".

No início de 2010 nós decidimos: VELA!! Mas com um bom motor... dessa forma temos a liberdade de usar o "vento" como combustível nas condições favoráveis e travessias mais longas; e a praticidade do motor nos passeios mais curtos e quando o vento resolve não dar as caras.


A decisão entre a Vela ou Motor na maioria das vezes é influenciada por gostos pessoais, questões culturais, limitações de tempo (e outras por limitações financeiras, rs). O importante é decidir!

...

Mas não para por ai... existem diferentes tipos de veleiros, de diferentes tamanhos, construídos com diferentes materiais!!! O ano de 2010 e parte de 2011 foi ocupado na procura do "veleiro" que seria nossa casa, na próxima mensagem vamos falar mais sobre a escolha do barco (monocasco x catamarã).

Abraços.
Fernando, Jamille, André e Laura Previdi

3 comentários:

  1. Postagem muito interessante e com muita informação!

    Parabéns pela nova tripulante Previdi!

    Abraços

    ResponderExcluir
  2. excelente post, fernando.

    abraços.

    ResponderExcluir
  3. Muito legal Previdi. Boa sorte ai no restante do projeto.

    ResponderExcluir